Regionalismo e Modernismo no Brasil: diálogos entre velhas pragas e modernos localismos

Autor:  André Pelinser

Percorrendo algumas obras do Romantismo, do regionalismo dito “pré-modernista” e do Modernismo brasileiros, este ensaio se detém sobre as forças presentes nos debates intelectuais da virada do século XIX ao início do século XX, objetivando demonstrar como parte dos argumentos utilizados tanto pelos artistas, quanto pela crítica obliterou clivagens relevantes para a compreensão das tensões oriundas dos processos de modernização em curso. Se por um lado, o Modernismo de 1922 pode ter sido responsável por rupturas importantes no que tange a certa liberdade criativa, com seus procedimentos destrutivos, conforme apontam diversos autores, por outro, certamente não poupou a geração imediatamente anterior à sua, desferindo críticas ferrenhas que, a bem da verdade, nem sempre se sustentavam. Para além disso, muitos de seus posicionamentos fizeram escola nos discursos críticos posteriores e consolidaram maneiras de apreender, não raramente de modo apriorístico, a literatura dita regional ou regionalista. Discutimos, então, como tivemos, no Brasil, arte moderna antes de chegarmos ao Modernismo, muito embora frequentemente este viés seja ignorado.

Mais informação / Additional Info

  • Title: Regionalism and Modernismin Brasil: Dialogues Between Old Plagues and Modern Localisms
  • Abstract:

    Investigating some works of Brazilian Romanticism, designated “pre-Modernist” Regionalism and Modernism, this paper dwells upon the forces concerning the intellectual debates from the turning of the 19th century to the beginning of the 20th, aiming to prove how part of the arguments used either by artists or critics obliterated relevant gaps to comprehend the tensions arising from the modernization processes in progress. If, on one and, 1922’s Modernism might be responsible for important ruptures regarding certain creative freedom, on the other, it certainly did not spare the immediately former generation, brandishing tough critiques which, in fact, did not always held up by themselves. Beyond that, much of their position continued to influence upon the later critical discourses and consolidated apprehending manners, frequently in an aprioristic way, concerning the so-called regional or regionalist literature. We discuss, then, how Brazilian literature had modern art before reachingModernism, even being this fact frequently ignored.

  • Tags: Brazilian Regionalism BrazilianModernism Literary Criticism Imaginary
Modificado em Sexta, 05 Abril 2013 18:22

ficha

Agália. Revista de Estudos na Cultura

ISSN: 1130-3557.
Depósito Legal: C-250 - 1985 (versão impressa)
Edita:
Associaçom Galega da Língua (AGAL)
URL:
http://www.agalia.net
endereço-eletrónico: revista
@agalia.net
endereço postal:
R/ Santa Clara nº 21, 15704 Santiago de Compostela (Galiza)
Periodicidade Semestral (números em junho e dezembro)
Diretores: Roberto Samartim e Felisa R. Prado
Indexada nas bases de dados de dialnet e da CAPES