A partir da tensão entre a língua portuguesa, a oralidade e as línguas nacionais africanas, como as de Moçambique e da Guiné-Bissau, este texto aborda os muitos conflitos oriundos da dominação colonial que resultam na escolha de escritores sobre em qual delas escrever literariamente. Assim, pretende refletir sobre as hierarquias, formas de dominação e de resistência no panorama das literaturas destes países, levando em consideração movimentos culturais como “Negritude”, associados ao colonialismo e ao pós-colonialismo na discursividade sobre literatura e nação. É nossa intenção demonstrar como a escrita literária revela a atmosfera de incompletude do romance como gênero literário e a representação das diferenças expressas pelas múltiplas realidades retratadas pela literatura.

Públicado em AGÁLIA 102

ficha

Agália. Revista de Estudos na Cultura

ISSN: 1130-3557.
Depósito Legal: C-250 - 1985 (versão impressa)
Edita:
Associaçom Galega da Língua (AGAL)
URL:
http://www.agalia.net
endereço-eletrónico: revista
@agalia.net
endereço postal:
R/ Santa Clara nº 21, 15704 Santiago de Compostela (Galiza)
Periodicidade Semestral (números em junho e dezembro)
Diretores: Roberto Samartim e Felisa R. Prado
Indexada nas bases de dados de dialnet e da CAPES